Maravilhosa

Maravilhosa


Wonder Woman e sua quase Ilha de Lesbos


Carolina Vergara


Então, gente, seguinte: estou longe de ser crítica de cinema, mas ontem fui assistir à estreia da “Mulher Maravilha” e, PELO AMOR DA DEUSA, o que é aquela Ilha de Lesbos, digo Ilha de Themyscira?! Sério, é para os corações sapatonescos mais fortes aquilo ali, hein! Coisa de louco ver aquelas amazonas divas lutando estilo Matrix Rural, Ê Ê Ê Ê Ê! Cenas que ficarão pra sempre gravadinhas na minha memória. Achei tão delicinha o filme que quis contar pra vocês. Posso?

Então vamos lá: passado o impacto inicial de ver aquelas guerreiras quebrando tudo, vale muito a pena dizer que o filme é beeeem bonitinho e repleto de mensagens bacanas. A Wonder Diana é mesmo uma personagem incrível e representa com veracidade movimentos inclusivos, como o feminismo e o LGBT. A ideia de ter uma mulher super-heroína à frente da história, literalmente salvando o mundo, imbui, não só nós lésbicas como a todas mulheres, de altas doses de igualdade e pertencimento.

Alerta Spoiler (!!!)

Pontos fortes do filme que arrancaram risadas desta sapata aqui que vos fala:

Cena de despedida entre Diana e sua mãe, a rainha Hipólita diz: “O mundo dos homens não te merece”. (Eu também acho, vem pro nosso mundo, Dianaaaa)

Cena em que Diana diz para Trevor que sexo com homens é apenas para reprodução, porque no quesito prazer não funcionava muito bem não (o cinema todo riu; não achei graça sozinha, hein!)

A atriz Gal Gadot é um show à parte! Confesso que quando ela foi escolhida para fazer o papel da Mulher Maravilha, não curti muito. Eu tinha aquela imagem clássica da década de 80 e achei meio nada a ver a escolha. Mas, confesso, errei, errei feio, errei rude! Ela é ótima e consegue passar a inocência de uma princesa guerreira que nunca tinha visto um homem na vida sem parecer falso ou idiotão.

Outro tiro certeiro foi escolher a atriz Connie Nielsen para interpretar a mãe da Mulher Maravilha! Bateu forte aquela rainha, viu! <3

Enfim, saí com o coração quentinho e torcendo para que na continuação do filme pinte alguma personagem assumidamente lésbica para enlouquecer as fanchas de todo mundo!

*Carol Vergara ama paradas gays, ama aglomerações femininas e agora ama MUITO Toronto. Ah, e é idealizadora do Mundo Delash. ♥

Links relacionados: 
Balaio: Mulher Maravilha é queer, diz o diretor do filme
Balaio: HQ sobre igualdade de gêneros ganha edição com Batwoman na capa
Sapa de Letrinhas: Safo que nos pariu